A espera de uma nova vida


Ainda hoje ele paga pelo que fez.
Maltratou, feriu, sangrou,
e agora, enlouquecido, 
agoniza na zona semi-morta
à espera de uma nova vida
que não sabe se virá.
Trancado em seu cárcere
úmido e fétido,
perdeu a noção do tempo,
perdeu a noção de tudo.
Ele só sabe sonhar e esperar
uma nova manhã,
e já escuta os primeiros
raios do alvorecer

Helio Jenné
26/10/2010

4 comentários:

New disse...

Oiêee!
Chegou o natal!
Com ele a satisfação de metas cumpridas e a esperança
de que dias melhores virão.
Brindemos pois, tudo é possível.
Boas Festas!
Beijocas.

Nina Victor disse...

Jenné... matou a cobra e mostrou o pau!
Muito bointa sua poesia! :)

apartamentos niteroi disse...

Muito bonito e profundo, parabéns!

Helio Jenné disse...

Obrigado, pessoal!