E esperando, adormeci


Ao ver a sanha assassina estampada em seu olhar, eu tive a certeza instantânea do perigo que corria. E sem pestanejar, daquele momento em diante, comecei a correr sem parar e, sem olhar para trás, abandonei o lugar em busca de abrigo. Na fuga desesperada, encontrei uma velha igreja abandonada, onde entrrei e, ofegante, rezei. Pedi a Deus que me protegesse do bando à solta. E esperei. E esperando, adormeci...
Helio Jenné

2 comentários:

Nina Victor disse...

Jenné, você me surpreendeu com o enfoque dado à imagem... valeu! ;)

Helio Jenné disse...

A imagem me passou uma sensação de medo, Nina! Pensei num bando de bandidos doidões. Não consegui fazer poesia, só um texto. Valeu mesmo. Ficou diferente!